História

O Primavera Musical – Festival Internacional de Música de Castelo Branco começou por ser um festival de Música de Câmara. Surgiu numa época de grande crescimento do Conservatório Regional ao nível da promoção de actividades que melhorassem a oferta na região e que possibilitassem aos alunos o contacto com intérpretes destacados a nível internacional.

Estávamos em 1995 e foi uma honra poder contar na primeira edição com o Quarteto Borodin. Com uns padrinhos tão especiais, o festival só teve de aprender a lidar com os avanços e retrocessos comuns a este tipo de organizações. E foi assim que embora a música de câmara se mantenha como uma referência muito importante, o Primavera Musical foi assumindo uma maior abrangência no que respeita às formações instrumentais e, mais tarde, descobrindo um ecletismo na programação, que se revelou adequado ao meio no qual estamos integrados.

A Direcção Artística esteve a cargo do Moscow Piano Quartet, durante os primeiros anos, tendo, a partir da 4ª edição, sido assumida por Carlos Semedo e Guenrikh Elessine. A organização foi desde a primeira hora da responsabilidade do Conservatório Regional de Castelo Branco, com o importante patrocínio da Câmara Municipal de Castelo Branco e, na maior parte das edições, do Ministério da Cultura.

Após 14 anos consecutivos de realização o Primavera Musical – Festival Internacional de Música de Castelo Branco afirmou-se na região como um veículo poderoso de qualificação da oferta musical, ao oferecer na sua programação um conjunto de propostas que procuram cativar e fidelizar público, tendo a preocupação de juntar nomes reconhecidos com novas apostas. E foi assim que conviveram connosco intérpretes como Jordi Savall, Natália Gutman, Sequeira Costa, Gaiteiros de Lisboa, Egberto Gismonti, Maria João Pires, Borodin Quartet, Quintette Moraguès, Artur Pizarro, Pedro Burmester, Anner Bylsma, Vladimir Krainev e Pedro Caldeira Cabral, entre muitos outros.